Urologia

Cálculos renais são frequentes na população, com prevalência de 6 a 12%. A recidiva também é muito frequente (1 em cada 2 pacientes em 5 anos apresentará um novo cálculo), assim como a perda da função renal ocorre por cálculos impactados no sistema urinário, por isso a grande importância em tratá-los. Mudanças no estilo de vida como aumento da ingesta hídrica e diminuição do consumo de sódio são fundamentais para evitar a formação dos cálculos e consequentemente a cirurgia. O procedimento cirúrgico envolve as seguintes modalidades: litotripsia extracorpórea e cirugia endoscópica, percutânea ou laparoscópica. O tamanho do cálculo, sua localização e características do mesmo guiará o melhor tratamento, percorrendo do menos ao mais invasivo. Portanto mude o seu estilo de vida, consulte periodicamente o seu urologista e inicie o tratamento dos cálculos, o quanto antes, de acordo com a melhor indicação preconizada.

O Câncer renal acomete a indivíduos entre os 50 e 70 anos de idade na maioria dos casos. Classificado como o 7º tumor mais frequente nos homens e o 8º nas mulheres. O carcinoma de células renais é o tipo mais comum, com 90% dos casos. A obesidade, doença renal cística adquirida e fatores geneticos (mutação no gene VHL) são fatores de risco para essa neoplasia. O tratamento do câncer renal pode se realizado através de nefrectomia (retirada do rim de forma total ou parcial) utilizando as técnicas aberta, laparoscópica ou robótica; terapia ablativa, através da crioablação ou radiofrequência; ou através de imunoterapia. O tipo de tratamento dependerá se o tumor está localizado, localmente avançando ou metastático; do tamanho do tumor; e da localização do mesmo. O tumor não responde à quimioterapia e nem à radioterapia. Os exames de check up atualmente apresentam grande importância no diagnósticos dos tumores renais em estágios iniciais, por isso a importância da realização de exames de imagem, como ultrassom de abdome frequentemente.

A vasectomia bilateral ou cirurgia de esterilização constitui em método contraceptivo definitivo destinado aos homens. Para sua realização é importante que o paciente possua 2 filhos ou idade superior a 25 anos (Lei 9.263/96), assine e reconheça firma da sua assinatura e da esposa. A cirurgia só poderá ser realizada após período superior a 60 dias (lei número…) do reconhecimento de firma das assinaturas, período suficiente para essa tomada de decisão do casal. A cirurgia é realizada sob anestesia local associada ou não a sedação e consiste em 2 pequenas incisões em cada hemiescroto, seguida da retirada de segmento de 1,0cm de ducto deferente de ambos os lados. As complicações são hematoma, infecção do sítio operatório e recanalizacao espontânea precoce dos ductos deferentes. Essa ultima possui ocorrência de 1/2000, sendo diagnosticada em exame de espermograma de realização obrigatória no pós-operatório em 2 a 3 meses após a cirurgia.

Fimose é definida com o estreitamento do prepúcio que impede ou dificulta a exposição da glande. Classificada em 5 graus, sendo o grau 5 quando há dificuldade total de exposição glandar. Há prejuízo nas relações sexuais, além de ser fator de risco para neoplasias penianas quando apresentam dificuldade na realização da higiene glandar. O tratamento é simples, com baixas complicações, realizado através da Postectomia, sob a associação de anestesia local e sedação.

Varicocele é caracterizada pela dilatação anormal das veias testiculares. A prevalência é de 15% na população em geral masculina. A varicocele, maioria presente à esquerda, constitui em uma das causas de infertilidade, sendo a sua correção cirúrgica uma das formas de tratamento. A cirurgia é simples, realizada sob raquianestesia ou anestesia geral, através de incisão em região inguinal (do lado acometido) de 2 a 3 cm, apresenta baixa taxa de complicação e morbidade.

A infecção urinária de repetição é caracterizada pelo quadro recorrente das infecções, superior a três episódios durante o ano. Configura um grande transtorno na qualidade de vida das pacientes, dificuldade de tratamento se erroneamente orientada e possibilidade de complicações como pielonefrite (infecção renal), abcesso renal (pus no rim) e até mesmo perda renal. Além do tratamento da fase aguda da infecção, em alguns casos é fundamental a antibioticoprofilaxia (uso de antibiótico em baixas doses por alguns meses). Consulte sempre um urologista para maiores informações sobre essa patologia, pois existem causas secundárias como refluxo vesicoureteral, cálculos renais, entre outras.